mendi/music/relax
 



Alzira Souza (Mendi)

Ilha da Magia SC (beira mar).

No dia 11/08/57

Na minha infância correr na areia

Catar conchinhas era meu parque de diversão.

As ondas do mar foi meu balanço.

A areia fina da praia construía meus castelos.

Ali nasci, cresci e vivi todos os momentos bons da minha vida.

Viver longe do mar, seria como um peixe viver fora da água.

Hoje ele ainda me acalenta e me inspira para escrever

Pois só ele que comigo dividiu tanto tempo conhece meu coração.

Todos os meus segredos são lançados ao mar, ele guardará.

Pois seremos eternos companheiros

E nessa simplicidade em que vivo

Encontro mil razões para continuar vivendo pertinho do mar.

Gosto do sentimento de liberdade.

Apaixonada pela vida.

Não saberia viver sem a poesia.

Minha essência de vida.

Sou simpática com quem merece.

Acredito na amizade sincera.

Sei ouvir e calar.

Não gosto de injustiças.

Defendo meu espaço se preciso for.

Não sei se um defeito ou qualidade

Mas como toda leonina sou sincera demais

E por vezes acabo magoando com o excesso de sinceridade.

Amo família e amigos, mas acima de tudo minha vida só pertence a Deus.

Ser Poeta

Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de ouro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!
E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Histórico:

- 16/02/2010 a 28/02/2010
- 16/11/2009 a 30/11/2009
- 01/10/2009 a 15/10/2009
- 01/08/2009 a 15/08/2009
- 16/06/2009 a 30/06/2009
- 01/06/2009 a 15/06/2009
- 16/05/2009 a 31/05/2009
- 01/05/2009 a 15/05/2009
- 01/04/2009 a 15/04/2009
- 16/03/2009 a 31/03/2009
- 01/03/2009 a 15/03/2009
- 16/02/2009 a 28/02/2009
- 01/02/2009 a 15/02/2009
- 16/01/2009 a 31/01/2009
- 01/01/2009 a 15/01/2009
- 16/12/2008 a 31/12/2008
- 01/12/2008 a 15/12/2008
- 16/11/2008 a 30/11/2008
- 01/11/2008 a 15/11/2008
- 16/10/2008 a 31/10/2008



Outros sites:

- Cristiny on Line
- Silêncio
- Duas Sinas
- Dembiski Poesias
- Soraia


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

eXTReMe Tracker

Layout Exclusivo
para o
Almas Poéticas

Criação: Mendi



 

Dia da consciência negra.

 

 

Minha alma lamenta

Pela atrocidade do preconceito

Irmãos negros reprimidos

É isto que a sociedade tem feito

 

Se ele vive numa periferia

 Conhece o significado da dor

Perde o direito de dignidade

Julgam o negro pela cor

 

Tiram o direito de igualdade

Vivem sempre humilhados

Para diversos governantes.

Como bandidos são tratados

 

O preconceito está mascarado

Por toda a nossa existência

Pessoas que conhece o significado

Da palavra “Negra Consciência”.

 

Queria esta data transformada

Que fosse o nosso cotidiano

Viver a consciência branca

Revogar o preconceito insano

 

Poucos negros são Políticos

Engenheiros ou doutores

Mas ninguém lhe rouba o direito

De serem poetas e escritores

 

Pele negra de alma intensa

És digno de respeito e amor

Mas teus irmãos se esquecem

Que toda alma não tem cor.

 

Somos todos da mesma raça

Nosso sangue não tem diferença

Dos Irmãos angolanos e africanos

Muitos morrem de fome e doenças.

 

Dia dedicado à consciência negra

Gritamos por íngreme igualdade

Que não seja apenas um feriado

Seja um brado por direitos e dignidade.

 

 

Alzira Souza (Mendi)

 



- Postado por: Alma Poética às 23h40
[ ] [ envie esta mensagem ]

                        


Doce infância

Eu

Me lembro ainda garota
Brincava na beira-mar
Correndo a sorrir
Meus cabelos a balançar.
No meu Ser infante
Toda eficácia bramia.

Com o mar em furor insano
Vivendo sem nada temer
Na areia meu castelo edificava
Sem ver o tempo nublar.

Fui ao chão com o possante vento
Sem ninguém para me amparar
E com a voz em lamúria
assentei a choramingar.

Uma medalhinha no pescoço
Contra o peito circundar
Era tudo que me resguardava
Da fúria das ondas do mar.

Der repente o mar serenou
Logo veio à calmaria
Sendo resguardada
Pela Virgem Maria

Nossa Senhora dos Navegantes
Estava ali para me auxiliar
Salve rainha do mar
Salve minha mãe Iemanjá.











:: AWARD ::




:: LINK-ME ::