mendi/music/relax
 



Alzira Souza (Mendi)

Ilha da Magia SC (beira mar).

No dia 11/08/57

Na minha infância correr na areia

Catar conchinhas era meu parque de diversão.

As ondas do mar foi meu balanço.

A areia fina da praia construía meus castelos.

Ali nasci, cresci e vivi todos os momentos bons da minha vida.

Viver longe do mar, seria como um peixe viver fora da água.

Hoje ele ainda me acalenta e me inspira para escrever

Pois só ele que comigo dividiu tanto tempo conhece meu coração.

Todos os meus segredos são lançados ao mar, ele guardará.

Pois seremos eternos companheiros

E nessa simplicidade em que vivo

Encontro mil razões para continuar vivendo pertinho do mar.

Gosto do sentimento de liberdade.

Apaixonada pela vida.

Não saberia viver sem a poesia.

Minha essência de vida.

Sou simpática com quem merece.

Acredito na amizade sincera.

Sei ouvir e calar.

Não gosto de injustiças.

Defendo meu espaço se preciso for.

Não sei se um defeito ou qualidade

Mas como toda leonina sou sincera demais

E por vezes acabo magoando com o excesso de sinceridade.

Amo família e amigos, mas acima de tudo minha vida só pertence a Deus.

Ser Poeta

Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de ouro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!
E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Histórico:

- 16/02/2010 a 28/02/2010
- 16/11/2009 a 30/11/2009
- 01/10/2009 a 15/10/2009
- 01/08/2009 a 15/08/2009
- 16/06/2009 a 30/06/2009
- 01/06/2009 a 15/06/2009
- 16/05/2009 a 31/05/2009
- 01/05/2009 a 15/05/2009
- 01/04/2009 a 15/04/2009
- 16/03/2009 a 31/03/2009
- 01/03/2009 a 15/03/2009
- 16/02/2009 a 28/02/2009
- 01/02/2009 a 15/02/2009
- 16/01/2009 a 31/01/2009
- 01/01/2009 a 15/01/2009
- 16/12/2008 a 31/12/2008
- 01/12/2008 a 15/12/2008
- 16/11/2008 a 30/11/2008
- 01/11/2008 a 15/11/2008
- 16/10/2008 a 31/10/2008



Outros sites:

- Cristiny on Line
- Silêncio
- Duas Sinas
- Dembiski Poesias
- Soraia


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

eXTReMe Tracker

Layout Exclusivo
para o
Almas Poéticas

Criação: Mendi



 

Um sonho


Noite de domingo depois da ceia
Resolvi passear a beira mar
Sentei numa duna de areia
Fiquei admirando a mágica noite de luar.

Absolvida por real encanto
Sem perceber que alguém se aproximava
Era um homem forte e bem trajado
De cabeça baixa pela areia caminhava.

Veio em minha direção
Na hora não tive medo
Senti que aquele homem
Estava perdido procurando orientação.

Por alguns momentos apenas o silencio
Seus olhos acompanharam os meus
O meu olhar seguiu o seu
Percebi que nossos olhos navegavam
Nas águas daquele mar imenso

Para quebrar o silencio perguntei
Que fazes trajado assim desse jeito
Caminhando na beira do mar?
Responda qualquer resposta eu aceito.

Já vou sua curiosidade satisfazer
Estou em busca de resposta
Porque não consigo entender
Porque o amor me virou as costas.

Já sofri e muito já chorei
Ando sem rumo por esse mundo afora
Mas a nenhuma conclusão eu cheguei
Para entender porque meu amor foi embora.

Antes que perguntasse por que, ele foi dizendo.
Não encontro motivos nem explicação
Só sei que muito estou sofrendo
Só vejo a morte como única solução.

Disse essas palavras com a voz embargada
Diante desse relato olhei para seu rosto
Sentindo que ele precisava de ajuda
Aquele homem estava no fundo do poço

Depois desse meio diálogo ele foi me perguntando
Meio agressivo com o tom de voz afoite
O que faz uma dama ficar perambulando
Sentada a beira mar perdida na noite?

Respondi estou aqui tentando me encontrar
Você está vendo aquela duna lá distante?
Vou buscá-la agora nesse instante
Traze-la até aqui para beira do mar.

Naquele instante quase me chamou de louca
Ora isso é impossível não é sensato
Melhor é você calar a boca
Foi se levantando impaciente e irritado.

Aproveitei e logo respondi
Você já tem a resposta que precisava
Por sua atitude justifica e entendi
Porque o amor lhe abandonava.

Cada ser humano é um mistério
A natureza infindáveis mistérios tem
Se a fé tem o poder de remover montanhas
Ela pode mudar sua vida também.

Darei essa receita que tenho na mão
Sei que muito vai lhe ajudar
Não tem contra indicação
Faça tudo direitinho e espere seu amor voltar.

Ingredientes:

1: kg de fé
3 xícaras. De esperança
4: pitadas. De paciência
1litro. De Paz
3 gotas.  Prudência

1 tabletes. De doçura
2 colheres. De amabilidade
2 gotas de essência de brandura
Polvilhe com muita bondade

Faça a mistura
E coloque no seu coração
Ligeiramente aquecido
Pelo calor do amor
Deixe acender o fogo da paixão
E cubra com a benção dos céus.


Agora olhe para a face do mar
E banhe-se nela e deixe o amor fluir
Arremesse nele todas as mágoas
A dor vai aliviar e feliz voltarás a sorrir.

Não foi o acaso que me trouxe aqui nessa noite afável
Foi Deus que colocou um anjo no meu caminho
Para eternizar esse momento desagradável
E encher meu coração de esperança e carinho.

Vai para casa meu bom rapaz
Será uma pessoa diferente
Viverás em eterna magia
Esqueça o passado e siga em frente
 
Levantou e perguntou, você vai para casa?
Vou sim respondi com olhar risonho
Foi nesse mágico momento que eu acordei
Pois era o estender-se de um lindo sonho.

          Mendi



- Postado por: Alma Poética às 18h25
[ ] [ envie esta mensagem ]



No dia 24 sexta feira para ser bem exata foi o lançamento do segundo livro
Do meu Tio Chico com 84 anos.
 Casa da Cultura Pe. Bernardo Junkes - Centro Içara SC
Casa que também sou um membro
Lá estava ele sendo prestigiado por parentes, amigos e muitos que por lá passaram para abraçar tio Chico e levar um livro autografado.
  
Em sua homenagem deixo hoje como pôster um escrito do livro dele.

 “O Bagageiro” de Francisco de Souza.

A vida

O peito conhece a vida
E a vida a grande amizade
Quando uma fica perdida
A outra encontra.
São ambas celebridades.

Quando uma vida é ceifada
Todo celeiro do peito prateia
Nosso corpo é uma rocha escravizada
Um celeiro de alguém que todos os dias semeiam

O coração é um órgão justo e compensador
Gera amor e sentimentos
É o portador da vida
É o criador do amor
O mestre dos pensamentos.

O coração e os olhos
São alunos dos pensamentos
São escravos da saúde e as vias do amor
Tanto causam sofrimentos
Assim como atraem milhares de valores.

O corpo é o resto das vísceras
Que a vida põe para fora
O coração é a justiça
O pensamento o relógio que marca as horas.

“Todos iguais são competentes”.
E “todos trabalham para a gente”

Francisco Souza
Poeta Chico.

Mendi e  tio Chico

 



- Postado por: Alma Poética às 11h30
[ ] [ envie esta mensagem ]



 

    A distância.

 

Chorando estou muito triste,
Você esta longe bem distante,
Só uma imensa saudade existe,
Penso em você em todo o instante.

 

Eu aprendi a ser amigo da distância,
Pois, da distancia nasce à saudade,
E matar essa saudade é uma delicia,
O reencontro é sempre uma felicidade!

 

A distancia pode nos separar
E nos separar sem piedade,
Ela pode também nos machucar,

Mas nos laços da saudade,
Ela vai sempre nos juntar,
Trazendo imensa felicidade!

 

“A distancia que nos separam sem piedade,
é a mesma que nos unem nos laços da saudade"


                   Luiz Antonio Ramos.

 

  LUIZÃO

 



- Postado por: Alma Poética às 12h05
[ ] [ envie esta mensagem ]



 

        Desejo da PAZ
                           Mestre Seong-Hwan


O desejo da paz é..., na prática, a obediência aos princípios da natureza.
Nós desejamos a paz de espírito, mas a realidade das nossas vidas torna este desejo difícil de alcançar.
Em vez de conviver com harmonia, vivemos em clima hostil.
Em vez de cooperar, agimos com inveja.
Em vez de procurar bem-estar comum, buscamos interesse particular.


Sabemos que este estilo de vida material nos traz sofrimento em vez de paz.
Mas a nossa ambição pela riqueza, pelo prestígio social ou pelo poder, nos faz insensíveis às distorções e ansiedades de uma vida sem paz.


Vamos transformar maus pensamentos em bons pensamentos.
Vamos transformar atos agressivos em atos de generosidade.
Vamos transformar hábitos descontrolados de desejo em hábitos saudáveis.
Vamos evitar pensamentos, palavras ou atos, que causam aborrecimentos alheios.


Desejamos a convivência pacífica de todos os seres animados, inanimados e tudo o que está contido no universo.
O desejo da paz é, na prática, a obediência aos princípios da natureza.


Em qualquer tempo, em qualquer lugar,
andando, falando ou calado, em movimento ou não,
parados, sentados ou deitados,
vamos observar sempre, se estamos mantendo a serenidade de espírito.
 

Viver verdadeiramente desperto significa
não causar sofrimento alheio de qualquer espécie
e agir de acordo com a sua consciência.
Viver verdadeiramente desperto significa
realizar a consciência , que se encontra dentro de cada um de nós.
 

      Nanda



- Postado por: Alma Poética às 16h39
[ ] [ envie esta mensagem ]



Amigos meu pôster de hoje trago um infeliz comentário deixado por alguém na postagem do dia 04/10 com o Titulo “A esperança” escrita por mim mesma.
O comentário é assinado como vulgo “IBOPE”
Estou fazendo este pôster apenas para um lembrete que respeito do ser humano cabe em qualquer espaço mesmo sendo virtual não tem lógica de ser.
Deixo aqui o comentário e minha resposta.

                       Comentário:


Pôster do dia 04/10 com o Titulo “A esperança”

 

[Ibope]
E o almas ta caindo , o numero de comentario diminuindo , jaja vc vai escrever pra ninguem. Quem manda ser Falsa, dissimulada,interesseira, todos que aqui vem dizer que loviu, vc ja falou delas. Abram o olho gente esta Mendi uma cobra quando vcs menos esperarem ela ja deu o bote. O almas vai acabar vcs vao ver.

 

Minha resposta.


 “Por seu caráter, o ciúme e a inveja são parentes muito próximos
Gostaria de saber por qual motivo vem me agredir.
Tenho algo que você desejaria ter e não tem?
Esse seria o motivo de uma inveja (justificativa para um ataque assim)
Tomei algo que você considerava somente seu? (Justificativa para um ataque por ciúme)
Então deixo aqui esse escrito como pôster deste dia.
Não julgues para que não sejas julgado.
Neste caso só existe uma justiça e é nesta retidão que entrego esse caso.
Na lei divina, pois esta não falha e não existe nada oculto para este Juiz... ”DEUS”
E a mão dele é pesada quando bate o martelo.

Pensamento de Voltaire
"É triste não ter amigos?
Ainda mais triste é não ter inimigos!
Porque, quem não tem inimigo, é sinal de que não tem:
Nem talento que faça sombra,
Nem caráter que impressione,
Nem coragem para que o temam,
Nem honra contra a qual murmurem,
Nem bens que lhe cobicem,
“Nem coisa alguma que lhe invejem...”

E não é o que eu sempre digo?
Quando somos invejados é sinal que possuímos um selo ISO, aquele que tem a ver com a qualidade.
Eu devo estar carimbada com muitos selos desses. E gosto disso, gosto muito!

Mil Beijinhos.


Fantoche


O computador é uma armadilha
Monitor é uma arma
Palavras é a munição
Teclado é um gatilho
Basta adicionar seu dedo.
A armadilha você preparou
A arma você apontou
Com palavras você a carregou
Puxando o gatilho você disparou
Não foi uma bala perdida
O alvo seria somente eu
Com minha alma atingida
Meu mundo tudo escureceu.
Olhos fixos na tela sem nada entender
Meu rosto na hora gélido empalideceu
Lágrimas por ele começaram a escorrer
Sorriso na garganta na hora também morreu.
Na internet é um pobre coitado
Um dia vai ser desmascarado
Como já diz um velho ditado
Você já pode ficar preparado
O gato tanto vai a o moinho
Que um dia deixa o focinho.
                                                                           
       Mendi.



- Postado por: Alma Poética às 01h13
[ ] [ envie esta mensagem ]

                        


Doce infância

Eu

Me lembro ainda garota
Brincava na beira-mar
Correndo a sorrir
Meus cabelos a balançar.
No meu Ser infante
Toda eficácia bramia.

Com o mar em furor insano
Vivendo sem nada temer
Na areia meu castelo edificava
Sem ver o tempo nublar.

Fui ao chão com o possante vento
Sem ninguém para me amparar
E com a voz em lamúria
assentei a choramingar.

Uma medalhinha no pescoço
Contra o peito circundar
Era tudo que me resguardava
Da fúria das ondas do mar.

Der repente o mar serenou
Logo veio à calmaria
Sendo resguardada
Pela Virgem Maria

Nossa Senhora dos Navegantes
Estava ali para me auxiliar
Salve rainha do mar
Salve minha mãe Iemanjá.











:: AWARD ::




:: LINK-ME ::